Muitas pessoas que querem começar a empreender no mercado digital conhecem apenas a modalidade de vendas mais tradicional, que envolve a criação de um e-commerce com estoque próprio. Sem dúvidas, essa alternativa pode ser benéfica para muitos empreendimentos, mas está longe de  ser a única.

Existem outras modalidades bastante promissoras, que podem impulsionar o crescimento da marca, otimizando os recursos nela investidos. Nesse sentido, o dropshipping pode ser uma boa opção. Você já ouviu falar nesse tipo de vendas? A seguir, explicaremos tudo o que você precisa saber para criar loja virtual dropshipping. Boa leitura! 

O que é dropshipping?

Antes de mais nada, precisamos definir o que é o dropshipping. Essa categoria de vendas se refere a uma maneira diferente de gerir o estoque do e-commerce, sem armazenar os produtos que a loja virtual vende. Como assim? É simples: no dropshipping, o vendedor adquire o produto do fornecedor somente após o cliente já ter comprado o item.

Desta forma, o lojista não precisa dar conta de um estoque variado, que necessita de controle constante sobre as quantidades e modelos disponíveis. E aqui entra outro fato curioso: embora quem faça a venda seja o vendedor à frente do e-commerce, quem envia o produto para o cliente é o fornecedor. Você sabia disso?

Desta maneira, podemos definir o dropshipping como uma forma otimizada e minimalista de vender online, que necessariamente conta com a parceria entre duas partes: o vendedor, responsável pelo e-commerce e pela comercialização do item, e o fornecedor, responsável por ter o produto e por enviá-lo ao consumidor após a compra.

Quais são as vantagens e desvantagens do dropshipping?

Sem dúvidas, o dropshipping é uma modalidade de vendas que desperta a curiosidade dos empreendedores, pois permite uma gestão facilitada do negócio, sem necessitar de controle de estoque e de vínculo com transportadoras ou Correios. No entanto, nem tudo são flores.

Se você quer criar loja virtual dropshipping, dedique-se a pesquisar sobre esse tipo de vendas e a entender se ele é adequado para a região geográfica que quer servir, para o produto que quer vender e para o público que atender. Assim evitará o risco de criar um negócio frágil e com pouca possibilidade de crescimento.

Confira aqui as vantagens e as desvantagens do dropshipping: 

Vantagens

Como é de se imaginar, as principais vantagens do dropshipping dizem respeito justamente à gestão de estoque, que, nesse caso, é inexistente. Um e-commerce tradicional precisa controlar constantemente os itens armazenados, entendendo o momento ideal para pedir reposição para os fornecedores.

No dropshipping não existe essa necessidade, já que os produtos só são comprados do fornecedor após a concretização da venda. Isso também anula os riscos do comerciante com a sazonalidade e reduz a possibilidade de ficar com produtos esgotados no comércio eletrônico. O mesmo vale para a logística, que fica sob responsabilidade do fornecedor.

Junto com essas vantagens, entra a questão financeira: o investimento inicial para criar uma loja virtual dropshipping acaba sendo menor, já que não exige a compra antecipada dos produtos do estoque. Isso permite que a empresa inicie suas atividades com mais capital de giro, o que é fundamental para a saúde do negócio.

Desvantagens

É claro que a venda por dropshipping também envolve alguns pontos de atenção. O principal diz respeito à escolha do fornecedor. Essa modalidade de vendas requer muita agilidade para o envio, já que a venda é realizada pelo lojista, mas a remessa é feita pelo fornecedor. Desta forma, a comunicação entre as duas partes deve ser constante.

No mesmo sentido, é fundamental que o fornecedor tenha disponível os produtos que o comerciante vende. Do contrário, a venda por dropshipping será um processo demorado e nem sempre vantajoso para o comprador. Por isso, recomenda-se que o empreendedor procure por fornecedores indicados e que tenham boa reputação no mercado.

Vale ponderar que o dropshipping requer uma estrutura enxuta, sem a gestão de estoque e de logística. Por outro lado, coloca parte da responsabilidade para o sucesso do negócio nas mãos de um terceiro elemento. Caso a entrega atrase ou o produto não tenha a qualidade prometida, quem perde o cliente é a loja que vende. 

Qual o melhor site para fazer dropshipping?

Pode-se dizer que, em geral, uma loja virtual dropshipping requer um planejamento semelhante ao de uma loja virtual tradicional, com a criação de um site e com o uso de estratégias de divulgação para atrair clientes. E aqui entra um ponto muito importante para a modalidade: a escolha dos produtos que serão ofertados.

Você já deve imaginar que nem todos os itens são ideais para a venda dropshipping. Em geral, itens padronizados e produzidos em série fazem mais sucesso do que produtos personalizados e artesanais, que demandam um outro tipo de cadeia produtiva. Assim, muitos lojistas logo pensam em vender roupas produzidas em grande escala.

Essa é uma boa alternativa, mas não é a única: produtos de beleza também podem fazer sucesso, como escovas, pentes e pincéis de maquiagem, assim como artigos para bebês, como brinquedos e acessórios. Outro segmento que tem muitas oportunidades é o de material esportivo, com ênfase para bolas de futebol e tapetes para yoga e pilates.

Além disso, produtos voltados para o mercado eletrônico e digital também podem ser atrativos para os consumidores. Aqui entram capas e cabos para celulares, suportes ergonômicos para computadores e até artigos para videogames, como jogos e controles remotos.

Como você pode ver, as possibilidades são muitas. Quanto mais criativo o empreendedor for na escolha dos produtos, mais chances terá de se diferenciar nesse extenso mercado chamado internet. Por isso, vale sempre estudar o segmento em que quer atuar e entender quais pontos de diferenciação podem contribuir para o crescimento do negócio. 

Como criar loja virtual dropshipping?

Muitos empreendedores que querem vender na modalidade dropshipping têm dúvidas sobre a criação da loja virtual. Essa é uma questão relevante, já que repercute diretamente no crescimento e no sucesso do negócio. Por isso, todo o processo de criação deve ser feito com estudo e planejamento, o que engloba o aprofundamento em muitos itens.

Engana-se quem pensa que o melhor caminho para criar um e-commerce de sucesso é copiar o modelo de alguma loja virtual já existente. Embora negócios consolidados sirvam de inspiração, não devem ser replicados sem estudo. Quem fizer isso estará criando uma loja sem personalidade e com poucas chances de crescimento verdadeiro.

Sabendo disso, a melhor maneira de perceber se um negócio tem possibilidade de se consolidar é estudar o segmento, o produto e o mercado. Isso envolve entender profundamente o público que quer atender, assim como compreender as características da região geográfica e as especificidades do segmento. 

Isso não é uma tarefa fácil. Pelo contrário! E é justamente por esse motivo que poucas lojas crescem e se consolidam tal como desejam quando começam a vender. A consistência do negócio é fundamental para a sua duração a médio prazo. A seguir, veja, tudo o que você deve saber para criar loja virtual dropshipping. 

1. Escolha o nicho de Negócio

A escolha do nicho do negócio depende, em primeiro lugar, de uma afinidade do próprio vendedor. Afinal, ele falará sobre aqueles produtos durante grande parte do seu dia, convencendo os consumidores de que devem, precisam e merecem comprar aqueles itens.

Além disso, o empreendedor deverá estudar profundamente o segmento em que atua, justamente para poder orientar o consumidor a respeito do uso do produto, da manutenção e da durabilidade. Já pensou que chato deve ser estar mergulhado num universo com o qual não se identifica?

Mas é claro que o gosto pessoal é insuficiente se não vier acompanhado de uma análise de mercado. Ou seja, antes de criar a loja dropshipping, o vendedor deve pesquisar e entender se aquele setor realmente é próspero e merece seu investimento. 

2. Encontre um bom fornecedor

Contar com um bom fornecedor é fundamental para qualquer tipo de negócio, mas para o dropshipping se torna ainda mais importante. Por essa razão, você não deve considerar apenas o preço que ele cobra pelos produtos, mas a disponibilidade de estoque e a agilidade para fazer os envios ao endereço dos clientes.

Podemos dizer que a relação entre o vendedor do dropshipping e o fornecedor funciona quase como a de uma sociedade. Embora cada um tenha a sua empresa, o trabalho entre ambos deve ocorrer de maneira muito harmônica, já que um é responsável pela venda e o outro, pelo envio.

Se o fornecedor falhar, seja por enviar um produto de má qualidade ou por atrasar a remessa, quem será prejudicado é o vendedor, já que ele é que deu a palavra e assumiu o compromisso da venda. Assim, fica a dica: se você trabalha com dropshipping, busque fornecedores recomendados e disponíveis para atendê-lo nessa modalidade.

3. Realize o registro do domínio

Aqui entra uma questão prática da criação do e-commerce: a escolha e o registro do domínio. Pode ser que você não saiba, mas o domínio é o endereço que digitamos com o “www” lá na barra de endereços. Ele é que vai conduzir os seus possíveis clientes até a sua loja virtual.

O ideal é que esse domínio tenha exatamente o mesmo nome da sua loja e termine com extensão “.com” ou “.com.br”. Caso o nome já esteja sendo usado, vale procurar uma alternativa parecida, sem nunca deixar de passar profissionalismo. Justamente por isso, não recomendamos usar domínios gratuitos, que geralmente requerem extensões estranhas.

Você também poderá aproveitar o momento de registro do domínio para criar as suas redes sociais, como Facebook e Instagram, por exemplo. Assim poderá garantir que o nome usado em todos os canais será o mesmo.

4. Crie uma loja online

E aqui está outra parte bem importante para quem quer vender por dropshipping: a criação da loja online. Mas o que um bom e-commerce deve ter? Vale sempre pensar que o comércio eletrônico exige autonomia dos consumidores, já que, diferente das lojas físicas, seguem o percurso de compra sem a presença de um vendedor. 

Por isso, todos os itens devem estar expostos na forma de vitrine, com imagens excelentes e verdadeiras e, é claro, com descrições completas sobre todas as características dos produtos. Isso inclui dados como medidas, tipos de materiais, formas de conservação e assim por diante.

Desta maneira, o usuário poderá navegar no e-commerce sem precisar recorrer a chat online ou a e-mail para tirar dúvidas. Lembre-se: o grande diferencial do e-commerce é justamente possibilitar a compra instantânea, na hora em que o cliente quer, e isso deve ser facilitado com um site o mais assertivo possível.

5. Defina custos de envio e taxas

A precificação de qualquer produto deve ser levada muito a sério, já que precisa seguir uma lógica que conduza ao ponto de equilíbrio. Os itens não devem estar caros demais a ponto de impedir que os clientes comprem, mas também não têm que estar baratos a ponto de não dar lucro para o negócio. Matemática, né?

O primeiro requisito para dar preço a qualquer produto é entender quais são os custos que ele envolve. Isso inclui o preço de produção, é claro, mas também gastos com plataforma de e-commerce, ferramentas de automatização, internet, equipe e assim por diante. 

Além disso, é fundamental ponderar o preço de envio da encomenda. Embora o fornecedor seja a figura responsável por fazer o envio do item, quem concretiza a venda do produto e cobra pela sua entrega é o vendedor. Por isso, os gastos com o envio já devem ser mensurados e cobrados do cliente na hora da concretização da compra. 

6. Faça a divulgação loja

Depois de definir o produto e de criar a estrutura do comércio eletrônico, muitos lojistas acreditam que finalmente poderão se sentar em frente ao computador e esperar pelos clientes. No entanto, essa ideia está equivocada. As lojas virtuais são bem diferentes das lojas físicas no que diz respeito à captação de clientes.

Sem divulgação, nenhum e-commerce vai vender. Mas o que deve ser feito? Além da presença nas redes sociais, que deve ser realizada com estratégia, também deve-se contar com anúncios em buscadores de conteúdo, como o Google, por exemplo.

Esse tipo de recurso é fundamental para apresentar a loja a usuários que poderão se tornar clientes. Com o tempo, também será necessário investir em e-mail marketing, canal que estabelece um vínculo entre a loja virtual e os clientes que já compraram nela. 

Como fazer divulgação da loja virtual de dropshipping?

Sem dúvidas, a divulgação da loja virtual tem um papel muito importante para o sucesso do negócio. Por isso, é fundamental contar com uma boa estratégia de comunicação e de marketing. Em primeiro lugar, a sua loja deve estar atualizada e marcar presença ativa em redes sociais como Facebook e Instagram, por exemplo.

Isso significa que não basta apenas publicar conteúdo nesses canais: é preciso monitorar comentários e mensagens privadas, respondendo todas as interações. Da mesma forma, a divulgação também necessita contar com os recursos oferecidos pelo Google, que possibilitam, por exemplo, que a página apareça entre os primeiros lugares da busca.

Ao fazer isso, você aumenta exponencialmente a chance dos usuários acessarem a sua loja virtual, já que a maior parte das visitas parte de pesquisas em buscadores. O ideal é que todas essas ações sejam traçadas de maneira que se comuniquem entre si, formando uma verdadeira estratégia de marketing e dando frutos ao negócio.

Assim, você conseguirá ter resultados mais consistentes tanto no dia a dia da loja virtual quanto em situações específicas, como no caso de promoções de Dia das Mães, Dia dos Pais, Black Friday e Natal. E nesse ponto o e-mail marketing é um ótimo aliado dos lojistas, pois dialoga com aqueles clientes que já fizeram pelo menos uma compra na sua loja.

Tenha em mente que os esforços do seu trabalho devem visar pela fidelização dos consumidores. Os cálculos de divulgação mostram que é mais barato investir no retorno dos clientes do que impactar pessoas de compra única. Sabendo disso, todo o trabalho de gestão do e-commerce deve pensar na satisfação do consumidor e no seu retorno.

E é claro que, para isso, você deve vender produtos de qualidade, a preços justos, com entrega eficiente e atendimento impecável. É o conjunto da experiência que transformará um consumidor comum num cliente fiel, que, inclusive, poderá recomendar seu negócio para amigos e conhecidos. 

Como você pode ver, criar loja virtual dropshipping requer planejamento. Não basta ter apenas um segmento de atuação em mente, é preciso contar com bons fornecedores e conquistar um lugar de destaque no mercado. A boa notícia é que essa modalidade de vendas é promissora e, se bem planejada, oferece boas chances de crescimento.

Agora que você já sabe tudo sobre o dropshipping, que tal ler sobre loja virtual integrada? Esse tipo de recurso pode simplificar a gestão do comércio eletrônico, tornando o trabalho do empreendedor virtual mais ágil e assertivo. Afinal, quem não quer mais tempo livre para focar naquilo que realmente importa? Boa leitura e boa sorte!