O mercado e-commerce brasileiro já é o 7º maior do mundo, com uma participação de 2,8%. Estamos à frente de países como Austrália, Canadá e Itália, e a perspectiva da T-Index (The rankings for online markets) é que vamos ocupar a 4ª posição até o ano de 2021, com 4,6% do comércio eletrônico mundial.

A fatia pode parecer pequena, contudo o desempenho do mercado virtual brasileiro é bem-visto pela entidade, que compara com outros países como a China, atualmente na 2ª posição no ranking. No topo está os Estados Unidos com 30,9% do mercado global.

Ocorre que o nosso crescimento se deve principalmente aos esforços das lojas virtuais em se manter atuais e competitivas. Para isso é importante estar informado quanto aos principais indicadores e tendências.

Neste post vamos apresentar dados do e-commerce e sugestões de como se manter atualizado. Acompanhe!

Qual o atual panorama do e-commerce nacional?

Vamos começar com alguns dados do 37º Webshoppers, relatório conduzido pela Ebit que atualmente é um dos mais completos do país:

  • em 2017, o crescimento foi de 7,5% ante ao ano anterior, chegando ao faturamento de R$ 47,7 bilhões;
  • mais de 55 milhões de e-consumidores realizaram pelo menos uma compra virtual em 2017. O que representa um aumento de 15% em relação ao ano anterior;
  • 36% dos pedidos foram feitos pela classe C, 30,4%; pela classe D e somente 5,5% pela classe A;
  • a maior parte dos pedidos (72,7%) foram concluídos a partir de um computador e 27,3% de dispositivos móveis;
  • 49,8% das compras foram pagas à vista; 18,7% divididas em duas a três vezes e 31% foram em quatro vezes ou mais.

Quais as projeções para 2018?

De acordo com a ABComm o crescimento para 2018 será de 15% e o faturamento superior a R$ 69 bilhões. O tíquete médio deve subir para R$ 310 nesse ano. A entidade também prevê o aumento das vendas mobile, chegando a 33% do total de pedidos.

Como se manter atualizado?

Como mencionamos no início do post, o setor exige constantes atualizações e acompanhamento das tendências. Vamos aos pontos de destaque:

1. Acompanhe sua performance

Indicativos e métricas são fundamentais para qualquer estratégia. São os dados que mostram o que está indo bem e o que precisa ser aperfeiçoado para que o negócio alcance seus objetivos.

2. Peça o feedback aos clientes

A opinião do seu cliente a respeito da loja e do atendimento também abre caminhos na gestão. Portanto não deixe de criar um canal de comunicação em que os consumidores possam avaliar o serviço prestado. Lembre-se de que ele é o melhor parceiro para melhorar a atuação da empresa.

3. Participe de seminários, convenções e workshops

Esses eventos auxiliam a manter-se atualizado frente ao mercado. A participação ajuda a entender as mudanças do setor, as oportunidades, além de oferecer insights que vão auxiliar no desenvolvimento da estratégia.

4. Busque consultorias

Em algumas situações, quem está inserido nos projetos não consegue identificar gargalos, falhas, oportunidades e como atender às necessidades de seus clientes. Uma consultoria externa é capaz de apresentar caminhos mais eficientes do ponto de vista operacional.

5. Invista em network

Mesmo com técnicas avançadas de marketing, o bom e velho network é muito eficaz na gestão. Trata-se de uma prática de baixo custo, mas que permite desenvolver contatos, gerar negócios, conhecer novos nichos e práticas inovadoras de gestão.

Porque conhecer o mercado de e-commerce é importante?

Conhecer o mercado e-commerce de forma mais aprofundada amplia a visão dos gestores, que passam a tomar decisões mais assertivas. Daí a necessidade de acompanhar indicativos gerais e específicos, notícias e, principalmente, as práticas inovadoras. Nem sempre é preciso investir recursos financeiros ou despender muito tempo, entretanto os ganhos são surpreendentes.

O conteúdo foi útil? Aproveite e leia também este post com livros que ajudam a entender o comércio virtual!