O e-commerce nacional vem crescendo ano após ano, e tem ganhado, cada vez mais, a preferência dos consumidores brasileiros e estrangeiros. Segundo informações do Ebay, o comércio eletrônico brasileiro foi responsável por cerca de 25% de todas as transações feitas para o exterior do país.

Em 2013, o PayPal encomendou uma pesquisa junto ao Instituto Nielsen para entender melhor esse comportamento. Naquele ano, países como Estados Unidos, China, Reino Unido e Austrália compraram cerca de R$ 1,5 bilhão em produtos nas lojas virtuais.

O potencial de lá pra cá foi confirmado e, hoje, já é realidade. Engana-se quem acha que só grandes lojistas realizam essas vendas. Micro e pequenas empresas são os maiores responsáveis!

Você quer vender on-line para outros países, mas não sabe como? Então, não deixe de ler nosso texto agora mesmo, para saber no que é preciso estar atento!

Conhecimento cultural

Quando visitamos outros locais — nacionais ou internacionais —, é comum notarmos que os hábitos dos moradores são diferentes. Com isso, é importante entender muito bem sobre essa segmentação.

Fundamentalmente, é preciso realizar uma pesquisa profunda sobre os gostos e necessidades das localidades onde deseja atuar.

Além da parte cultural, faça um planejamento para que a estrutura da sua empresa consiga atender esses novos compradores — já que eles são diferentes dos consumidores brasileiros.

As datas comemorativas, como o Natal ou Black Friday, têm impactos diferentes em cada país. Nos Estados Unidos, por exemplo, o poder de compra e a oferta de produtos é bem superior em comparação ao Brasil.

Outras datas sazonais também devem entrar em seu calendário e, com isso, demandam uma pesquisa bem detalhada a respeito. Veja quais são:

  • Semana Dourada, do Japão;
  • Click Frenzy, da Austrália;
  • Dia dos Solteiros, da China.

Essas são épocas em que o pico de vendas aumenta consideravelmente e podem ser uma excelente oportunidade de negócios.

Regulamentação

A regulamentação é algo que demanda bastante atenção por parte do empreendedor, visto que podem existir punições judiciais sérias — e destruir a credibilidade do seu negócio.

Assim como no Brasil, algumas regras se aplicam a um Estado, mas são diferentes em  outras regiões. Esse assunto, fora do país, é ainda mais sério.

Um dos maiores desafios da comercialização internacional é justamente se adequar à grande variedade de regras de cada nação. Nos Estados Unidos, por exemplo, há um grande debate sobre como seria feita a aplicação de impostos estaduais sobre as operações digitais.

Além disso, é preciso conhecer a legislação que rege algumas regras, como a venda de bebidas alcoólicas. No Brasil, o consumo desse tipo de produto é liberado a partir dos 18 anos; já nos Estados Unidos, apenas a partir dos 21 anos.

E não é somente a limitação estrangeira que merece a sua atenção: a legislação brasileira também precisa ser consultada, pois existem regras, também, para exportar um produto.

Método de pagamento

A forma de pagamento é outro ponto que merece atenção, já que estamos falando sobre mudança de moeda e de comportamento dos compradores internacionais.

A pesquisa citada anteriormente (sobre o comportamento dos consumidores) ajudará a entender quais são os métodos de pagamento mais usados por esses clientes estrangeiros.

Vale lembrar que cada país tem suas particularidades  — que precisam ser entendidas para atender os usuários da melhor forma possível. Na Espanha, por exemplo, os cidadãos gostam de pagar por seus produtos e serviços com o cartão de crédito. Já na Índia, é comum o pagamento ser realizado em dinheiro, no ato da entrega.

Além disso, é preciso definir qual será a moeda padrão no qual será ofertado o seu produto. É muito comum os valores estarem em dólar, já que é a moeda mais utilizada no mundo inteiro.

A precificação dos valores também poderá mudar, visto que será cobrado o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), além das taxas que as intermediadoras — Paypal, por exemplo — poderão cobrar sobre cada venda efetivada.

Envio dos produtos

A entrega dos produtos é outro ponto que pode ser determinante para o sucesso internacional da sua loja virtual.

Ao contrário do Brasil, os países estrangeiros prezam por um bom serviço de entrega. Nos Estados Unidos, por exemplo, a entrega dos produtos pode ser feita no mesmo dia em que foi realizada a compra do produto, mesmo que o cliente esteja em outro estado. Isso acontece pela rede integrada de várias lojas.

Novamente, é preciso pesquisar quais são os serviços disponíveis para realizar a entrega do seu produto da maneira mais segura e confiável possível. Afinal, como se trata de uma logística mais complexa e de uma distância maior, é preciso diminuir ou eliminar os erros da entrega.

Os Correios oferecem serviços de entregas internacionais, mas podem ter seus prazos e preços desvantajosos para os lojistas brasileiros. A melhor opção é escolher entre as empresas públicas ou privadas de cada país.

Além disso, empresas que atuam no Brasil também podem oferecer os serviços de coleta e entrega dos produtos em outros territórios, como a FedEx. Além de entender como é feita a logística brasileira, essa empresa poderá agilizar e entregar o produto de modo seguro — afinal, ela já  possui bases de operações em outros países.

Adequação da linguagem aos outros países

Essa dica pode parecer óbvia, mas muitas empresas acabam negligenciando essa tarefa de adequação a linguagem local.

Suponhamos que boa parte dos seus produtos são direcionados para a Espanha e para os Estados Unidos. É interessante, então, que seu e-commerce tenha a descrição do produto em dois idiomas diferentes: espanhol e inglês.

Essa simples mudança poderá ter um impacto enorme na experiência de compra tanto dos espanhóis quando dos americanos. Além de contribuir na atração de outros compradores, como ingleses e uruguaios.

Vender on-line para outros países poderá ser algo desafiador, mas, se você estiver bem preparado, vai perceber que o negócio pode ser bem lucrativo ao longo prazo. Isso se deve, entre outros motivos, ao fato de receber em uma outra moeda que, em alguns casos, está mais valorizada que o real. Por isso, conheça bem o mercado em que vai atuar e tenha um planejamento bem estruturado.

Gostou deste conteúdo? Quer continuar aprendendo sobre o assunto? Então, confira também a importância da escalabilidade para o seu negócio!