Há uma revolução ocorrendo no mercado do comércio eletrônico e sua loja virtual não pode ficar fora dessas mudanças. A cada dia, surgem de maneira constante, novas tecnologias, plataformas e ferramentas e, com elas, o compromisso de personalizar a experiência do cliente, assim como a otimização do tempo e o aumento das vendas.     

Percebendo essas mudanças e as novas tendências de e-commerce que têm surgido, listamos neste artigo as mais importantes para sua loja virtual. Acompanhe!

O que é E-commerce e para que serve?

O e-commerce diz respeito a transações comerciais efetuadas de maneira totalmente online. A começar na seleção do produto pelo consumidor, até a finalização do pedido, passando pela forma de pagamento e escolha do endereço de entrega, toda esta operação é realizada através de meios digitais.  

O sucesso de um e-commerce fundamenta-se, sobretudo, em divulgar e promover produtos através das estratégias de marketing digital. Sendo assim, a captação de clientes também ocorre por meio da internet.

Ao pensarmos a partir do ponto de vista do consumidor, realizar compras através da internet transforma-se em um processo muito mais cômodo. Pois traz a possibilidade de comprar produtos no conforto de casa, ou em qualquer outro lugar, a qualquer hora. 

Quais são as evoluções do e-commerce?

O impacto que os clientes com experiência em tecnologia estão tendo no mundo do comércio eletrônico está mais forte e mais rápido do que nunca. A tecnologia tem ajudado os clientes a acompanhar suas compras e alterado a maneira pela qual esses consumidores interagem com os varejistas online.

Essa tendência, por sua vez, está afetando o quadro geral. À medida que a tecnologia muda as transações de empresa para consumidor, novas oportunidades surgem para ambos os lados. 

Os consumidores agora têm acesso a uma variedade de ferramentas que os ajudam a avaliar preços, encontrar alternativas, localizar lojas e receber cupons. Já os varejistas, também também têm benefícios, uma vez que a tecnologia os ajuda a estabelecer conexões mais fortes com os consumidores e a construir suas marcas mais rapidamente.

Dessa forma, a tecnologia segue revolucionando as transações entre empresas e consumidores.

Aplicativos móveis estão mudando as relações entre consumidor e varejista

Os aplicativos agora proporcionam aos varejistas a oportunidade de se conectarem com consumidores além dos limites de um negócio físico. As marcas não precisam mais esperar que os consumidores entrem na loja ou identifiquem um anúncio que os incentiva a interagir com a empresa.

Agora, essas empresas podem alcançar consumidores em todos os lugares. Mesmo quando os clientes não estão comprando, os varejistas ainda podem estar presentes em seu dia a dia. 

A presença constante de uma marca nos aplicativos do telefone de um cliente, lembra a ele que essa empresa está por aí, como uma opção. Além disso, existem também as interações ativadas por local, que se comunicam com clientes que entraram em lojas físicas, levando-os de volta a estes locais.

Os varejistas estão mais na mente dos consumidores

As notificações por e-mail do Yesteryear estão sendo rapidamente bloqueadas pelos profissionais de marketing, em favor das notificações por push do smartphone. Esses recursos e seus aplicativos permitem que as equipes de marketing comandem a atenção do consumidor como nunca.

As promoções, que antes eram filtradas por detectores de spam ou eram roladas pelos consumidores, agora podem chamar a atenção do usuário diretamente para a tela inicial dele. Os varejistas estão aproveitando essas atualizações para manter os clientes atualizados e informados sobre novas vendas e promoções.

A experiência personalizada do cliente está crescendo

O fato de os consumidores escolherem experiências de compras pessoalmente relevantes não é novidade. O que é novo é o fato de que a tecnologia está tornando padrão a personalização.  

Essas técnicas de marketing transformaram-se num método popular para quem quer construir uma base de clientes fiéis. Com o advento dos assistentes pessoais móveis, os sites de comércio eletrônico estão percebendo que os serviços automatizados não o cortam mais.

Para melhor atender os clientes, os empreendedores digitais estão vendo que precisam se adaptar aos novos padrões de comunicação estabelecidos por melhorias tecnológicas. Isso significa atender os clientes em vários canais aos quais eles têm acesso. 

Sites de marca, e-mail, Facebook, Twitter e até mesmo o Instagram estão sendo usados ​​pelos clientes para se conectar com as marcas. Os sites precisam usar essas plataformas para se conectar com os clientes.

Os consumidores gostam da conveniência de entrega mais rápida e preços mais baixos

A conveniência tem sido a força motriz por trás do sucesso dos sites de comércio eletrônico. Com a crescente demanda por conveniência, os recursos de entrega no mesmo dia estão criando novos desafios. 

Nesse sentido, lojas online podem necessitar aumentar seus preços, já que colocar um motorista para entrega no mesmo dia está longe de ser barato. 

Porém a ajuda tecnológica está a caminho: num futuro próximo, soluções de entrega poderão vir de forma automatizada ou drones. Gigantes do comércio eletrônico, como a Amazon, já estão procurando abrir caminho com essa tecnologia. 

Por enquanto, os sites que buscam obter vantagem competitiva estão oferecendo aos consumidores entregas mais rápidas com preços mais baixos.

Pequenas empresas estão assumindo

Em geral, o futuro das pequenas empresas parece cada vez mais brilhante para os que entram no mercado de comércio eletrônico. Sites de e-commerce peer-to-peer, como Etsy e Shopify, estão colocando as pequenas empresas lado a lado com grandes varejistas como Walmart e Target.

Smartphones e mídias sociais estão dando aos consumidores a chance de descobrir marcas que nunca encontraram antes. O brechó da rua, agora pode se estabelecer online e oferecer acesso global a seus produtos.

As lojas antigas não são as únicas que recebem os benefícios, startups estão surgindo em todo o mundo mais rápido do que nunca. A mídia social, a tecnologia móvel e a nuvem estão aprimorando a capacidade dos empreendedores de tirar as empresas do mercado mais rapidamente. 

Além disso, os recursos de tecnologia estão dando aos empreendedores a capacidade de iniciar negócios em casa, traçando novas tendências de e-commerce.

Quais são as tendências de e-commerce?

Os números do comércio eletrônico brasileiro continuam crescendo a passos largos, mesmo durante o longo período de recessão pelo qual o país atravessa. Em 2017, o e-commerce nacional faturou cerca de R$ 47,7 bilhões, um aumento de 8% em comparação a 2016. 

Para entender qual é a força do comércio digital, não só no Brasil, mas no mundo inteiro, somente na Black Friday americana o faturamento foi de cerca de US$ 5 bilhões. Segundo pesquisas, o e-commerce ao redor do mundo deve gerar cerca de US$ 4,88 trilhões. 

1. Mobile

Os dispositivos móveis já são realidade na nossa vida, seja para interação social, seja para realizar compras, já que em poucos cliques é possível adquirir um produto.

Segundo um estudo do E-bit, somente em 2017 cerca de 27,3% das compras realizadas no comércio eletrônico foram feitas por meio de aparelhos como smartphones e tablets.

Além de apresentar números significativos, os dispositivos móveis estão ficando cada vez mais populares, e o seu uso vem tendo impacto no e-commerce. Portanto, otimizar a sua loja para a tecnologia mobile é algo que já passou do status de diferencial: é algo obrigatório que precisa constar em seu planejamento.

Aqueles que não investem ou não acreditam na força do mobile, correm grande risco de tornarem-se irrelevantes para os consumidores.

2. Realidade aumentada e virtual

Com o avanço tecnológico ficando cada vez mais sofisticado, os dispositivos móveis estão se tornando excelentes meios de melhorar a experiência de uso dos consumidores.

Um exemplo é poder visualizar como um objeto ficará em determinado espaço da nossa casa, mesmo sem tocá-lo ou visitar a loja da marca. Além de objetos domésticos, já é possível “experimentar” calçados e roupas antes mesmo de comprá-las.

As aplicações da realidade aumentada e virtual são enormes, chegando ao ponto de poder sentir um local sem ao menos visitá-lo. O ramo de turismo tem usado e abusado dessa tecnologia.

3. Compras por voz

Os comandos de voz estão cada vez mais presentes na vida das pessoas. Aplicações como a Siri, da Apple, ou a Alexa, da Amazon, já permitem fazer pesquisas apenas falando com elas.

Nos Estados Unidos, empresas como UBER e Domino’s já aceitam pedidos por comando de voz. A expectativa é que isso se torne realidade em breve no Brasil

Agora, imagine essa agilidade e facilidade de comprar utilizando somente a voz em uma data tão importante como a Black Friday. A credibilidade e a segurança que a sua empresa passará ao consumidor serão significativas.

O SEO (Search Engine Optimization: otimização para os mecanismos de busca) precisa ser alterado, visto que o tradicional poderá não ser mais usual. Isso demanda investimento, e o serviço tende a melhorar.

Oferecer uma boa experiência de uso para os usuários vem sendo uma das grandes tendências do e-commerce, já que está presente nas novas formas de oferecer produtos ou serviços aos clientes.

4. Índice de velocidade

Muitas empresas de comércio eletrônico confiam em medidas como o “Tempo até o primeiro byte” (TTFB) para garantir que o desempenho do site esteja no mesmo nível. No entanto, embora importante para classificações de resultados de mecanismos de pesquisa, o TTFB não é a maneira mais eficiente de medir a experiência do usuário em relação à velocidade geral do site.

Os proprietários de empresas devem monitorar quanto tempo leva para o cliente começar a se envolver com o site. Índice de velocidade, o tempo percebido que leva a página inteira para carregar, é um meio melhor de medir a velocidade do site. 

Estudos confirmam que, a cada segundo que leva para carregar, aproximadamente 7% dos visitantes abandonam o site. Os proprietários de empresas podem verificar seu índice de velocidade online gratuitamente em webpagetest.org.

5. Velocidade de checkout

Embora a maioria dos proprietários de empresas monitore a velocidade geral do site por meio de algumas ferramentas, poucas empresas mantêm as guias especificamente em sua velocidade de checkout. 

Depois que um cliente decide comprar, o processo a partir desse momento deve ser o mais rápido e simples possível para evitar o abandono do check-out. A taxa média de abandono já é de 67%, não vamos dar aos clientes mais motivos para abandonar.

6. Tempos de espera e interrupções

Quando atingido o tempo limite, um site pode aparecer disponível para alguns visitantes, mas não para outros. As interrupções ocorrem quando ele está completamente indisponível. Cerca de 90% dos sites pesquisados ​​em uma das plataformas de comércio eletrônico mais conhecidas apresentaram, em média, 26 tempos limite em junho de 2014.

Simplificando, durante cada um desses tempos de espera, alguns visitantes que tentavam acessar não conseguiam entrar pela porta. Ocorrem interrupções frequentes durante picos de tráfego que podem causar sobrecarga do servidor ou falha de infraestrutura. 

Embora as grandes empresas tenham uma equipe dedicada ao desempenho, a média SMB simplesmente não possui recursos para se dedicar ao desempenho. Por isso, insira os serviços da web de hoje que podem automatizar grande parte da infraestrutura necessária.

7. Hospedagem na web

Reduzir a probabilidade de tempos limite e interrupções requer fazer perguntas ao seu provedor de hospedagem na web. Como seu serviço é dimensionado quando o tráfego aumenta? Quais controles eles têm em vez de mudar para os servidores de produção? Quanto tempo levará seu negócio para voltar a ficar online quando ocorrer uma falha? Com que frequência eles testam e provam que seus serviços de recuperação funcionam?

Esteja sempre ciente dessas informações. 

8. Segurança

Os sites de comércio eletrônico responderam por quase 50% de todas as investigações de violação de segurança em 2013. Os patches de segurança necessários foram aplicados regularmente à sua plataforma de comércio eletrônico? O sistema operacional subjacente foi mantido atualizado com correções críticas de segurança? Isto é vital para o seu negócio.

As pessoas conseguem encontrar o seu negócio quando querem o que você vende, mesmo sem nunca terem ouvido falar de sua marca? 

Muitas SMBs pensam que, se o site deles aparecer na primeira página de uma pesquisa quando o nome da empresa for digitado, eles vencerão a guerra. Provavelmente, mas eles sequer estão lutando a batalha certa. Felizmente, hoje existem muitos serviços acessíveis e fáceis de usar que permitem aos proprietários de empresas monitorar e gerenciar seus sites de comércio eletrônico.

9. Pagamento rápido, fácil e instantâneo com PIX

O Pix é uma nova maneira de realizar pagamentos, que foi desenvolvida pelo Banco Central e que permite a realização de transações de maneira mais simplificada, com mais rapidez e segurança, que tem apresentado muitos resultados positivos para as lojas virtuais, tornando-se uma das principais tendências de e-commerce atualmente. 

Uma das principais vantagens deste tipo de pagamento, é possibilidade de confirmar imediatamente a realização de pagamentos, dispensando a necessidade de o lojista reservar um determinado produto no estoque por muito tempo. 

Além disso, o Pix proporciona à loja virtual receber o valor da venda imediatamente, sem precisar esperar dias para que o valor seja creditado à conta.

10. Compras personalizadas

Proporcionar compras personalizadas consiste em possibilitar um tratamento exclusivo para  cada consumidor, como uma maneira de prestar uma experiência mais satisfatória às suas necessidades e expectativas. Sempre levando em conta todas as especificidades no processo de venda e pós-venda.

Por este motivo, a possibilidade de realizar compras personalizadas na loja virtual, demonstra o cuidado e dedicação em prestar aos visitantes de seu site uma experiência individualizada. Esta é uma maneira de diferenciar seu e-commerce da concorrência, e estar à frente daqueles que não proporcionam o mesmo serviço. 

11. Assinaturas personalizadas

Um e-commerce que possibilita assinaturas personalizadas disponibiliza ao consumidor, de maneira antecipada, novidades e vantagens, para que este tenha benefícios ao assinar pacotes disponíveis em diversos períodos, como semanais, trimestrais, semestrais e anuais. 

Fica a cargo do cliente escolher, dentre os diferentes pacotes disponibilizados, com diversos valores e que o concedem uma quantidade de produtos proporcionais, de acordo com o serviço escolhido.    

Este formato de venda tem favorecido grandemente as lojas virtuais, tornando-se uma tendência de e-commerce. Seu crescimento e êxito está no fato de oferecer um serviço personalizado e exclusivo, no qual o consumidor sente-se parte de um grupo especial, que possui benefícios e exclusividades nas novidades do e-commerce.

12. Lojas interativas

As lojas virtuais interativas são uma das principais tendências de e-commerce, principalmente nos setores de vestuário e de decoração. Isso porque elas possibilitam aos clientes interagirem com o produto, podendo ver como ele ficará em si.

Esse tipo de tecnologia quebra uma das barreiras antes imposta às lojas virtuais: a possibilidade de “experimentar” o produto. Fazendo com que o cliente possa ter uma noção de como será utilizar o item, através de realidade virtual.

É possível para o setor de decoração, por exemplo, que o cliente simule a cor e outros recursos, antes de finalizar sua compra.       

13. Consumo consciente

Em meio a tantos desastres ambientais que ocorrem com mais frequência a cada dia, mais consumidores estão revendo seu modo de consumo, repensando que tipo de produto tem comprado, e buscando empresas que tenham um posicionamento que transmita responsabilidade e transparência. 

Este novo hábito de consumo, vem impactando o mercado em geral, que tem dado uma resposta rápida, ao encontrar soluções para esta nova demanda por parte dos consumidores, adaptando-se às novas tendências do mercado. 

14. Inteligência Artificial e Big Data

A inteligência artificial e a Big Data são dois dos temas recorrentes quando falamos de tendências futuras. No caso do e-commerce, este assunto também é pertinente, pois possibilita que essas ferramentas sejam usadas para antecipar os comportamentos que os consumidores podem ter dentro da loja virtual. 

Desta forma, com a utilização de tais dados, fica possível proporcionar uma experiência mais satisfatória para o consumidor, baseada em seu comportamento de compra entre outras informações.   

Esse tipo de tecnologia já é usada nos e-commerces e nos guias de recomendações. A tendência é que ocorra o crescimento e melhoria destas tecnologias, o que proporcionará experiências cada vez melhores para o consumidor.   

15. Chatbots

Os chatbots têm tido uma popularidade crescente nas lojas virtuais, sendo muito utilizados como um dos principais meios para realizar um primeiro contato com o consumidor.

O uso desse tipo de tecnologia possibilita a resolução de pedidos com mais simplicidade, e fica disponível para que o consumidor possa tirar suas dúvidas na loja virtual sempre que necessário.   

Sendo assim, boa parte dos e-commerces tem aderido a esse tipo de recurso, visando reduzir os custos operacionais e ter um atendimento simplificado sempre disponível para o consumidor.   

16. Busca por voz e voice commerce

No mercado internacional, muitos consumidores têm utilizado esta tecnologia para realizar suas compras. Devido ao seu crescimento no mercado e das tecnologias cada vez mais desenvolvidas dos últimos tempos, o comércio eletrônico do Brasil também tem mostrado interesse em aderir a essa tendência de e-commerce. 

Através dos meios digitais ou até físicos, com a ajuda de assistentes virtuais, como é o caso da Alexa, criada pelo Amazon ou o Home, do Google Home, hoje muitos já utilizam o buscador de voz do Google para realizar pesquisas, sanar dúvidas, e bem como procurar lugares e produtos.    

17. Atendimento automatizado

Atendimento automatizado diz respeito a um atendimento que não necessita de interação humana. Neste modelo, a comunicação é feita por meio de um sistema de tecnologia capaz de compreender certas demandas dos consumidores e resolvê-las. 

Incluídos nesta categoria, estão os assistentes virtuais, chatbots, SMS, URAS e, até mesmo, os totens físicos que estão disponíveis nas lojas. Ou seja, todas maneiras de automatização do atendimento ao consumidor.

18. Experiência omnichannel

O omnichannel é um conceito que vai além da simples presença em diversos canais de comunicação, sobretudo se focarmos no meio digital. Ele aproxima-se mais da experiência de um relacionamento mais completo entre a loja virtual e o cliente, pensando na totalidade de uma integração de ferramentas. 

Sendo assim, fica a cargo do cliente acionar o canal que lhe convém, em seguida essas informações são recolhidas e dirigidas a um software que realiza a centralização dos dados. 

O que achou das tendências e novas tecnologias que apresentamos? Obtenha ajuda para vender mais aqui!